Jornal a Cidade Regional - A melhor divulgação para você

Sabado, 20 de Abril de 2024

Notícias/Mundo

Matamos milhares de terroristas, e esse é só começo, diz premiê de Israel

Guerra

Matamos milhares de terroristas, e esse é só começo, diz premiê de Israel
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, reforçou nesta quarta-feira (25) que a invasão por terra da Faixa de Gaza acontecerá em breve. "Não vou detalhar quando ou como", disse, acrescentando que os fatores que guiariam a essa decisão e os pormenores do ataque seriam decididos em comum acordo pelo gabinete de guerra. "Já matamos milhares de terroristas, e este é só o começo."

A declaração não difere muito daquelas feitas pelo premiê desde o início da guerra entre o seu país e o Hamas. Mas se dá em um momento em que fica claro que a incursão não é tão iminente quanto soou ao ser anunciada, cerca de dez dias atrás –e depende de negociações que vão muito além daquelas que ocorrem em Tel Aviv.

O principal responsável pela demora parece ser os Estados Unidos. Também nesta quarta, o jornal americano The Washington Post afirmou que a Casa Branca pediu diretamente ao governo israelense adiasse a ofensiva.

Segundo o veículo, há dois motivos para isso. Um deles é a negociação para libertar os cerca de 220 reféns que o governo israelense estima terem sido feitos pelo Hamas, metade dos quais têm passaporte estrangeiro. O presidente Joe Biden afirmou nesta quarta que vem dialogando com o premiê sobre as conversas com o grupo terrorista sobre o assunto, mediadas pelo Qatar.

Ele negou, porém, que tenha pressionado Netanyahu a atrasar a incursão por qualquer motivo. "Foi decisão dele, mas eu não exigi", disse. Doze dos sequestrados têm passaporte americano.

A outra justificativa é o reforço de defesas antimísseis em suas bases no Oriente Médio. Cerca de 12 sistemas já estariam prontos para envio para países como Jordânia, Iraque, Síria, Arábia Saudita, Qatar e Kuwait.

Desde o início da guerra, as bases americanas vêm sendo alvejadas por mísseis e drones de grupos aliados ao Irã, o patrocinador regional do Hamas e do Hizbullah libanês, no Iraque e na Síria.

Os EUA já enviaram caças, aviões de ataque e dois grupos de porta-aviões para a região, um deles já em operação, para dissuadir essas ações e o envolvimento mais incisivo do Irã e do Hizbullah na guerra. Enquanto isso, o grupo libanês segue a rotina de troca de fogo com israelenses na fronteira norte do Estado judeu.

O conflito entre Israel e palestinos teve início em 7 de outubro, quando o grupo terrorista Hamas realizou uma incursão brutal ao território israelense, deixando ao menos 1.400 mortos segundo as contas do governo do Estado judeu.

A invasão surpreendeu inclusive analistas militares –Tel Aviv é uma das principais potências militares do Oriente Médio, e a Faixa de Gaza estava supostamente muito bem protegida contra potenciais avanços inimigos.

A atmosfera de insegurança gerada pelo ataque fez com que o governo revisse seus dispositivos de segurança. Pouco depois do ataque de 7 de outubro, o ministro da Segurança Nacional, o ultradireitista Itamar Ben-Gvir, afirmou que o governo distribuiria 10 mil fuzis recém-adquiridos a equipes de segurança formadas por civis, além de capacetes e coletes à prova de bala. A medida foi anunciada depois que alguns desses grupos afirmaram que não tinham armas para lutar contra os terroristas durante a incursão ao sul de Israel.

No discurso desta quarta, Netanyahu encorajou os israelenses a andarem armados. E chegou perto de admitir que sua gestão falhou em não se preparar para uma potencial incursão. "A catástrofe será investigada a fundo. Todos precisarão dar respostas, inclusive eu mesmo. Mas tudo isso só acontecerá depois da guerra", disse ele.

FONTE/CRÉDITOS: noticiasaominuto.com.br
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!